Voltar

Hepatite Infecciosa canina pode causar a morte de cães ainda jovens

18/05/2018 - Publicações

Caso os animais não estejam imunes à essa enfermidade eles podem ser infectados pelo adenovírus transmissor por meio das vias aéreas 

Caso os animais não estejam imunes à essa enfermidade eles podem ser infectados pelo adenovírus transmissor por meio das vias aéreas

A Hepatite Infecciosa Canina (ICH/CAV), também conhecida como Doença de Rubarth, é uma doença causada pelo adenovírus canino tipo 1 (CAV-1) que pode provocar alterações em vários órgãos, principalmente fígado, rins, olhos e células endoteliais do animal, ou seja, células que revestem a superfície interior dos vasos sanguíneos. A médica veterinária Drª Mitika Kuribayashi Hagiwara em seu artigo, publicado na Revista Clínica Veterinária, relata que além do CAV-1 causar doenças em cães, ele também afeta coiotes, raposas bem como outros tipos de canídeos e ursídeos.

Segundo o professor doutor Francisco Anilton da Universidade Federal de Goiás, a Hepatite infecciosa canina é uma doença viral que ocorre em canídeos jovens. De acordo com o professor, a doença pode ter muitos estágios e causar a morte dos animais. “Ela se apresenta desde a forma leve, subaguda até a forma aguda que pode levar à morte entre 12 a 25% dos animais doentes”, afirma.

Anilton relata ainda que os animais podem se contaminar por meio da inalação de partículas virais que são eliminadas no ambiente por um animal infectado. Ele ainda ressalta que o vírus pode ser encontrado na urina dos cães por alguns meses, mesmo após a recuperação do animal. “O vírus também é eliminado por pelo menos seis a nove meses na urina após a recuperação de um animal”, explica.

O artigo de Drª. Mitika Hagiwara e seus colaboradores afirma que após a exposição oral, o adenovírus se dissemina por meio da via hematógena por todo o organismo.

Dr. Anilton esclarece que os cães que apresentam a forma aguda da doença tornam-se fracos e morrem dentro de algumas horas. Já, os indivíduos que permanecem doentes por 5 a 7 dias, apresentam sinais clínicos específicos e febre. “Nesse estágio a doença pode se caracterizar por febre de 39,5 a 41°C, anorexia, latidos frequentes, vômitos, diarreia, dor abdominal, tonsilite - faringite, membranas mucosas pálidas, linfadenopatia e edemas cervicais, tosse (devido a pneumonite) e diátese hemorrágica”, explica.

O professor ressalta que podem ocorrer sinais neurológicos, como a desorientação, depressão, estupor, coma e ataques convulsivos, resultado de encefalopatia hepática, hipoglicemia ou de encefalite não-supurativa. Em casos de infecção aguda ou após a recuperação de uma infecção que não esteja aparente podem ocorrer sinais que incluem edema corneano, também chamada de “olho azul da hepatite” e uveíte anterior (blefaroespasmo, inflamação, miose e glaucoma).

Segundo Anilton, o tratamento é de suporte, pois não existe medicação específica, até que possa ocorrer uma recuperação a partir do estágio agudo de infecção e regeneração hepática. O médico veterinário afirma que esse processo geralmente requer uma fluidoterapia que utilize de soluções suplementadas com potássio e dextrose. Além disso, deve-se tratar a encefalopatia hepática e utilizar antibióticos para complicações bacterianas secundárias.

A solução

Para evitar esse tipo de contaminação, a profilaxia é muito importante, por isso, os animais devem ser vacinados para evitar que contraiam esse tipo de enfermidade.

Porém, a partir do momento em que: 1. alguns animais são alérgicos a algumas substâncias; 2. já possuem anticorpos maternais ou 3. são muito idosos ou jovens demais para receber a vacina, é preciso conferir se eles possuem ou não imunidade perante a Hepatite infecciosa canina.

O VacciCheck®

Para conferir os fatores relacionados à imunidade, aos anticorpos e a saúde física do animal, o kit de verificação vacinal VacciCheck® é a melhor opção para conferir o status vacinal relacionado a Hepatite Infecciosa Canina, bem como a Parvovirose e a Cinomose Canina.

O principal objetivo da utilização do kit é servir como uma ferramenta para avaliar o estado de imunidade de cães sobre esses três patógenos. Além disso, o VacciCheck® é capaz de determinar se o filhote obteve resposta vacinal; avaliar a imunidade de pacientes com histórico de vacinação desconhecido e também dos cães imunossuprimidos. Ele ainda pode ajudar na decisão de revacinar ou não cães adultos e diagnosticar infecções na presença de sinais clínicos.

Com o teste é possível obter os resultados das três doenças, Hepatite Infecciosa Canina (ICH), Parvovirose (CPV) e Cinomose canina (CDV), que são obtidos simultaneamente em 23 minutos. Para acompanhar o passo a passo do uso do kit clique aqui.